Sim…Eu emagreci comendo gordura! Gordura do bem!

2

fats-and-meats-lg-1

Quando fiz o post sobre o Bullet Proof Coffee, muuuuita gente me perguntou:

Nossa, mas essa quantidade de gordura de manhã, não faz mal?

Minha resposta: Não, eu emagreci comendo gordura!

Isso mesmo. Gordura, mas gordura do bem: manteiga, óleo de coco, banha de porco, bacon (este em especial artesanal que eu mesma faço em casa), azeite extravirgem. Nada de óleo de soja, de milho, de girassol, de canola e todos esses óleos envenenados (se você não entendeu nada desta frase, sugiro que leia este post primeiro)

Por mais estranho que isso possa parecer, vou tentar explicar direitinho e de uma maneira bem simples.

Tão importante quanto informações de nutrição, precisamos entender como o nosso corpo funciona, principalmente como nossos hormônios e neurotransmissores trabalham.

Já expliquei aqui neste artigo, que tudo o que comemos vira glicose. Correto? E a consequência de um pico de glicose é um pico de insulina.

Aqui está o pulo do gato.

A insulina é um hormônio que impede a utilização de gordura como fonte de energia.

Como assim?

Se estamos com insulina liberada no organismo, não queimamos aquela gordurinha localizada dos nossos pneuzinhos, bumbumzinhos, bracinhos e etc.

Manter a insulina baixa ajuda a perder gordura localizada. :)

PS: Deu para entender o porquê é tão difícil perder peso? Toda a nossa comida está cheia de açúcar e refinados que fazer nossa insulina disparar toda hora :(

Tá, mas como fazer que esse processo “dure” o maior tempo possível?

Vamos pensar de novo.

Quando dormimos, não comemos, não temos ação da dupla dinâmica glicose e insulina.

Portanto, quando acordamos nossos níveis de insulina estão muito baixos e devemos então mantêm-los assim: comendo ovos, abacate, nuts, leites de coco / castanhas, queijos gordurosos tipo parmesão, manteiga, óleo de coco, café, bullet proof coffee e etc.

Mas nada de colocar açúcar em nada, nada de comer tapioca, nada de comer pão mil grãos, se não vai ter ação da dupla glicose + insulina.

Você vai ver, vai se sentir saciada por muito tempo. Não vai passar fome, não vai ter sofrimento!

Eu já estou tão habituada com isso, que no meu almoço sigo essa regra também.

Almoço um tipo de carne, muita salada verde e legumes (tudo low carb: tomate, abobrinha, beringela, pimentão, cebola, alho, brócolis, couve-flor, repolho e etc.) temperados com muitas ervas e muito azeite!!!

E acreditem, passo o dia inteiro sem aquela compulsão por comer. Diferente de quando como uma tapioca no café da manhã, por exemplo. Quando chega umas 11:30h meu estômago está roncando de fome!

Façam o teste e me contem os resultados!

Continuando…no jantar mais carne (ou cogumelos ou os dois) e salada verde maaaaas com carboidrato: mandioca, batata doce, mandioquinha, às vezes até uma massa de arroz (amo bifum com cogumelos paris e shoyo de verdade).

Carbo à noite, pode? Póóóóde!

Vamos lá, de novo, entender o funcionamento do nosso corpo.

Quando vc almoça um arroz e um feijão, não dá um soninho gostoso depois?

Então, é que a insulina induz o sono, e já se comer o carbo a noite, eu vou dormir mesmo e não vou atacar nada de madrugada devido aos picos de glicose, insulina, dopamina, serotonina! Esse é o outro pulo do gato!

E ainda me ajuda a dormir melhor :) :) :)

Mas e o colesterol, com tanta gordura assim?

Sabia que colesterol não é gordura? Sabia que o que dá colesterol é carboidrato? Sabia que 90% do colesterol é produzido no nosso corpo pelo fígado e que 10% vem da nossa alimentação?

Já coloquei este link que esclarece tudo isso em outros posts e reproduzo ele aqui, para quem ainda não assistiu!

De vilão a mocinho. A saga do colesterol, segundo Dr. Kater, no programa Salutis.

É claro que tudo dependerá individualidade de cada um, do acompanhamento de um médico/nutricionista, mas percebam que a alimentação que citei acima é totalmente isenta de qualquer industrializado, aditivo, refinamento, processo e etc…

E sem contar que qualquer corpo deve estar (ou pelo menos deveria estar) habituado a digerir esses alimentos, afinal são esses os combustíveis que estão melhor adaptados a nossa máquina!

Gostou do texto? Faz sentido para você? Vai tentar fazer? Me escreve?

Ah e sugira temas para mais artigos também…que tal? Como posso te ajudar mais?

Daniela Miguel é engenheira, culinarista especialista em alimentação natural, ex-portadora de enxaqueca :) , mãe da Valentina, sócia e fundadora da Deliyou, uma empresa de produtos naturais e integrais que faz comida de verdade chegar até a sua casa.

Compartilhe.

2 Comentários

  1. Muito bom saber disso, Dani! Obrigada por compartilhar seus conhecimentos conosco. Para mim você é uma referencia na área de nutrição. Ao começar uma nova “dieta” ou a comer um novo alimento, sempre penso em pedir sua opinião. Gostaria de fazer uma pergunta também. Não entendi essa questão da tapioca. Então, você não recomenda come-la com frequência? Qual seria uma boa alternativa para comer no café da manhã?

    • Lara, obrigada! Eu simplesmente me preocupo muito com o combustível que uso para dar energia ao meu corpo.
      Com relação a tapioca, ela esteve e está na moda pois não tem glúten, mas não podemos esquecer que ela é um carboidrato e por isso eu consumo moderadamente para evitar esses picos de glicose e insulina que me dão compulsão por comida depois.
      Dá uma lida no artigo que escrevi sobre o índice glicêmico que vc vai entender melhor.
      De manhã, basicamente eu como ovos com queijos, abacates, leites vegetais, nuts, e de vez em quando tapioca :)

Deixe um Comentário