Você é viciada em açúcar? Eu já fui, mas hoje não sou mais.

13

http://www.dreamstime.com/royalty-free-stock-image-refined-sugar-cane-sugar-white-brown-demerara-mauritius-image35550436

Eu já comi muito açúcar refinado. Hoje não mais.

Mas você não come nada de açúcar?

Eu não.

Mas isso é muito radical!

Se você pensa assim, leia este artigo até o final.

É uma pena, mas o açúcar está na enraizado de uma forma na nossa cultura, que essa frase ainda causa espanto para muita gente. O consumo de açúcar  está ligado a felicidade. Ouço muito: Coitadinha, mas você não come nem uma balinha?

Sobre o quesito felicidade, sinceramente, acho que a felicidade de uma pessoa está muito, mas muito além de uma bala, de um brigadeiro e que a saúde e o que ingerimos, o que colocamos no nosso corpo está em primeiro lugar. Mas…o assunto de hoje, não é esse. Quero falar do porquê acho que o açúcar deveria ser banido da sua alimentação, ou pelo menos evitado ao máximo.

Mas vamos começar então por como o açúcar é produzido.

Melado (ou melaço) de cana, rapadura, açúcar mascavo, açúcar demerara e  açúcar refinado, todos eles são resultado do aquecimento do caldo de cana, com a pequena diferença de que são capturados em “pontos” diferentes.

Assim que o caldo da cana no fogo começa a evaporar e a reduzir, ele fica com a consistência parecida com a de um xarope, de um mel. Esse é ponto do melado (ou melaço) de cana. E está pronto para ser consumido. O melado de cana possui enorme quantidade de nutrientes: cálcio, fósforo e ferro. Isso mesmo: Ferro!

Continuando a ferver e ferver, o melado começa a borbulhar e nesse “ponto” deve ser retirado da panela e colocado em vasilhas com água fria. Esse melado mais espesso se cristaliza, endurece e surge aí a rapadura. Ela também tem quantidades expressivas de nutrientes como o melado.

O açúcar mascavo nada mais é que a rapadura moída, rapadura ralada. Ele deve ser bem marrom, bem úmido e com cheiro de rapadura.

O açúcar demerara já é um açúcar que passa por um leve refinamento, pois ele tem uma cor mais clara que o mascavo e uma cristalização bem aparente.  Ele não recebe nenhum aditivo químico.

Já o açúcar branco passa por um processo de refinamento completo, onde recebe uma grande quantidade de tratamentos altamente químicos com clarificantes (para ficar branco), antiumectantes (para reduzir a umidade) e excluir tudo o que a rapadura tem de bom e ficar somente com a sacarose. Esses aditivos são químicos, sintéticos e muitas vezes, cancerígenos e causam danos a saúde.

Refinar é isso. É isolar, é tirar todas as fibras, tirar nutrientes, vitaminas, proteínas, sais minerais e deixar somente, no caso do açúcar, a sacarose.

O mesmo processo é feito com o trigo. Moe-se o trigo e temos a farinha integral. Depois ela é refinada, tiram fibras, nutrientes, vitaminas e deixam somente o carboidrato.

Somente explicando isso, já dá para concluir que, nutricionalmente falando, a melhor forma de consumir açúcar é, nessa ordem: o melado, depois a rapadura, o mascavo e o demerara, fácil?

Atualmente temos mais uma opção, que é o açúcar de coco. Ele tem como principal benefício o baixo índice glicêmico e é extraído da seiva das palmeira.

Já o açúcar branco então é um alimento vazio, sem energia vital de uma alimento normal. E o que é pior, como é extremamente isolado, nosso organismo não reconhece e exige do nosso corpo uma compensação química. Ele então, literalmente, rouba cálcio, magnésio, ferro do nosso metabolismo e das nossas reservas. Então, podemos afirmar então que o açúcar é descalcificante, desmineralizante, desvitaminizante, um agente de desarmonização metabólica. Ele é um antinutriente.

Vejam, o antinutriente age como um verdadeiro bandido roubando os nutrientes do nosso corpo e do nosso metabolismo e levando embora!

Não adianta nada fazer um prato super saudável, e no finalzinho comer somente um “pedacinho de chocolate”, ou “uma balinha”, ou um “bombomzinho”. Os nutrientes do seu prato e das suas reservas serão certamente sequestrados.

Ou então, veja que incoerência: muitas dessas vitaminas infantis, para ficarem palatáveis, tem algum tipo de açúcar como ingrediente. Leia o rótulo e comprove você mesmo. De que adianta fazer uma vitamina com um antinutriente na composição? Ah, mas a dose é mínima…me respondem.

O problema é  ingerir diariamente, mesmo em pequenas quantidades. E para um bebê, para uma criança, o que é pequena quantidade? E se fosse só a vitamina com açúcar, mas tem a bala na casa da avó, o chocolate do vizinho, o bolo na sobremesa. O açúcar leva os poucos nutrientes que temos. Vale a pena sobrecarregar o pâncreas de um bebê ou uma criança tão cedo? Um corpo nutrido não fica doente. Pense nisso.

Willian Dufty, no livro, Sugar Blues, considera o açúcar como uma “droga doce e viciante que dissolve os dentes e os ossos de toda uma civilização”.
 E o pior, seus efeitos são como o de uma verdadeira droga, lentos, acumulativos e insidiosos, vão minando a saúde dia após dia, ano após ano.

E lembram do porquê que ele nos vicia? Lembram da história do índice glicêmico? Quem quiser ler ou reler o artigo sobre o Índice Glicêmico para entender esse ciclo viciante, clique aqui.

Enfim, o açúcar refinado não tem nada de bom, nada de nutrientes. Não precisamos desse tipo de glicose.

Porém, é muito difícil abandoná-lo de vez. Eu mesma tentei algumas vezes e acabei voltando, mas não desisti. E já estou há mais de 3 anos sem. Vou tentar então dar algumas dicas para você que quer começar esse desafio de pelo menos tentar reduzir o açúcar.

  1. Uma coisa que dá pra fazer de início é simplesmente substituir o açúcar branco pelo mascavo, ou pela rapadura, ou pelo melado, ou pelo açúcar de coco.  Se possível, optar sempre pelo melado, pois como vimos, tem mais nutrientes que os demais. O índice glicêmico vai continuar alto, mas pelo menos tem bastante nutriente para compensar;
  2. Não use adoçantes (aspartame, sucralose, stevia, e etc.), pois são todos artificiais e existem muitos estudos que os ligam ao câncer e a infinitas doenças devido a neurotoxidade;
  3. Tenha sempre na bolsa, frutas secas, castanhas e frutas frescas para aquela hora do aperto. Não se preocupe, nesse momento,  com a quantidade, o mais importante é não consumir o açúcar branco;
  4. Faça geléias em casa e coma com iogurte integral, com bolos integrais. Fazer geléia é muito fácil. Escolha a fruta de sua preferência, pique e coloque na panela. Coloque rapadura ralada, ou açúcar mascavo e espere cozinhar bem e delicie-se. Frutas vermelhas (morango, amora, mirtilo), abacaxi com damasco, pêra, kiwi e morango são as minhas preferidas.
  5. À noite acabamos assaltando o armário querendo devorar uma barra de chocolates. Nessa hora eu comia muita banana quente (colocava umas duas do tipo nanica no forninho com um pouco de canela). Fazia sobremesas mais saudáveis usando o cacau com o açúcar mascavo (pudim de tapioca com cacau, sorvete de cacau). Elas matam “aquela” vontade do chocolate;
  6. Use e abuse de canela, cacau, fava de baunilha e cravo nas receitas. Elas dão um sabor adocicado nos pratos;
  7. Depois que essa fase de “fissura” inicial passar, comece a reduzir a quantidade desses açúcares das receitas. Coloque metade e vá se adaptando. Agora sim fique de olho no Índice Glicêmico do prato e comece a equilibrar.  Diminua as quantidades de frutas secas nos lanchinhos;
  8. Depois coloque menos e menos açúcar em tudo. Tire o açúçar do café, do leite. Sinta outros sabores, curta o azedo, o amargo, o apimentado;
  9. Tenha paciência, muita paciência. Dependendo do nível da dependência, pode dar dor de cabeça, ansiedade, tudo isso são sintomas da abstinência mesmo. Persista! Quando quiser dar uma escapadinha, leia o livro do Willian Dufty – Sugar Blues;
  10. Se tiver uma recaída, não enfie o pé na jaca, comece tudo de novo. 

Eu mesma, cortei o açúcar de vez por duas vezes e tive recaídas. Mas hoje posso dizer que desde julho de 20111 não coloquei nada de açúcar refinado na boca e não sinto vontade.  Nenhuma!

Não tenho mais compulsão por comida. Perdi peso, mais ainda do que já havia perdido.

Me mande perguntas, conte-me as suas dificuldades, seus medos. Comente que terei a maior satisfação em te responder e ajudar.

Daniela Miguel é engenheira, culinarista especialista em alimentação natural, ex-portadora de enxaqueca :) , mãe da Valentina, sócia e fundadora da Deliyou, uma empresa de produtos naturais e integrais que faz comida de verdade chegar até a sua casa.

Compartilhe.

13 Comentários

  1. Adorei as dicas!! É incrível como os hábitos “comuns” das famílias envolve tanto açúcar refinado. Confesso que me sinto um pouco antissocial quando estou visitando alguém que não tenho muita intimidade e me deparo com uma mesa de lanche linda, porém rica em açúcar, o que fazer? Eu acabo comendo algumas coisas com moderação e recusando outras, mas a vontade é não comer nada mesmo, fico triste com nossa realidade, mas sei que não é culpa e nem a intenção do anfitrião. Para quem está tentando cortar esse veneno, a fase da abstinência é muito difícil mesmo, mas eu sinto que depois que consigo ficar uns 3 dias seguidos sem o açúcar refinado, os próximos dias são mais fáceis de lidar. Parabéns Daniela!

    • Eu não me sinto uma antissocial, me sinto um ET Adriella!!! Mas é isso, temos que voltar a ter consciência do que ingerimos e avaliar se as consequências valem a pena. A quem interessa a nossa saúde? A nós mesmos. Beijos e obrigada pelo sua participação aqui.

    • Carolina, tem melado organico da marca Agreco. Geralmente em hipermercados você acaba encontrando. Mas não é tão fácil. Nas feiras de orgânicos tem sempre uma barraca. A Superbom tem melado e esse é mais fácil de encontrar, porque não é orgânico. Fica sempre perto do mel nas prateleiras. Rapadura nunca encontrei. Procuro comprar sempre no interior, de alguém conhecido, olhando sempre o rótulo. Sabe porque? Já vi marcas que colocam açúcar refinado, aromatizantes. Um horror. Rapadura tem que ter como ingrediente somente o caldo da cana de açúcar. Obrigada e se tiver mais alguma dúvida, me escreva!

  2. Michelle Hennes em

    Gente, quero urgente parar de comer açúcar! Sempre gostei de doces, mas, depois de me informar o suficiente percebi que é um veneno.
    No meu caso, acho que teria 3 grandes problemas: o paladar, a indústria e as pessoas. O foda é que o açúcar já é uma “comida” cultural, e as pessoas se ofendem se tu não comer o bolo que elas prepararam, acham uma grosseria não aceitar a balinha que te deram, se tu tá numa festa de aniversário então, quase impossível sem ofender sumamente o aniversáriante não comendo o bolo de aniversário. Sabe, te tiram pra chato, querem te empurrar açúcar goela abaixo, só por aí já tem que ser muito determinado. Outra coisa é o fato de a maioria dos alimentos que compramos em supermercados, armazéns e etc, mesmo que sejam “salgados”. contém açúcar BRANCO, refinado. As pizzas marggeritas, as mussarela, as lasanhas, o pãozinho de forma da vovó, o totózinho do anivesário da priminha, os salgados do bar da escola ou faculdade, básicamente põe açúcar branco em TUDO, até salgados, simplismente desesperador. Acho que por isso que não conseguimos nos desviciar dessa porcaria. Mesmo que a gente não coma doces, estamos sempre comendo açúcar branco na forma de “salgados”. Se uma pessoa é um dependente químico, de por ex, cocaína, você não vai ficar colocando tecos de cocaína na comida ela, certo? Então se você come um SALGADO, que tem AÇÚCAR, logo você vai desejar comer DOCES. Outra coisa, menos relevante que percebi é o fato de que sempre me dá mais vontade de comer açúcar quando como uma comida “ruim”, uma goroba, uma comida mal temprada, mal preparada e que não me apetece, mas não tenho tempo de fazer receitas elaboradas, saudáveis e gostosas…então muitas vezes como uma comida sem graça.

    ACHO QUE DEVÍAMOS FAZER UM GRUPO NO FACEBOOK! ;)

    Trocar receitas, dicas pra driblar a vontade de detonar com a saúde, e como ser uma pessoa educada e querida sem comer açúcar

    hehe

    • Michele, você tem razão. Quando recusamos açúcar, as pessoas não entendem, insistem, você fala: não obrigada, e ela de novo: mas só um pedacinho, você fala: não obrigada. Aí você, educadamente, fala: eu não como açúcar. Pronto…ferrou…
      E tem que ficar esperto mesmo com os rótulos. Se fosse somente o açúcar o perigo…estava fácil.
      Cadastre-se no nosso site que semanalmente estou escrevendo, enviando vídeos, dando receitas! E se tiver mais alguma dúvida, me escreva!

  3. Olá Daniela . Você citou os malefícios dos adoçantes artificiais . A minha nutricionista também falou isso comigo, só que ela disse que eu poderia consumir a stévia pois é um adoçante natural e não causa danos a saúde. Qual a sua opinião a respeito da stévia.
    Obrigada.

    • Sandra, eu particularmente, nunca consumi. Realmente ele é uma opção natural, mas pelo que já li a respeito, ele tem aquele retrogosto amargo. O Dr. Alexandre Feldman alerta num de seus artigos para olhar sempre o rótulo, pois alguns contém sacarina (!!!!) como ingrediente.
      Quanto a stévia, se você se adaptar, fique tranquila.

  4. Nossa! Agora eu entendi porque no terceiro dia sem açúcar eu me senti uma drogada em abstinência, fiquei nervosa, ansiosa e passei a noite toda sonhando com comida, rsrs. Adorei a ideia do melado! Tenho plantado alguns pés de cana-de-açúcar e vou dar um jeito de fazer um melado. Estou a 1 mês e meio sem açúcar refinado, apenas nos sábados de manhã eu adoço 150ml de café com leite com uma colherzinha pequena do mascavo, e alguns sucos muito cítricos eu coloco também. O mel consegue ser também uma boa substituição para o açúcar?

    • Bruna, todos eles (mel, melado, açúcar mascavo, açúcar demerara) tem alto índice glicêmico. Então vão fazer o mesmo processo de elevar a glicose, insulina, dopamina e serotonina. Então o jeito é sempre ir diminuindo a quantidade até zerar. Quando você chegar nesse ponto, você vai ver que a sua compulsão por comida/doces terá diminuído bem.
      O açúcar de coco é uma nova e ótima opção, pois tem baixo índice glicêmico, porém o sabor é diferente e você tem que adaptar o paladar. Tem receitas que ficam ótimas, outras não muito. A stevia é um adoçante natural, com retrogosto amargo, porém na minha opinião, devemos tentar deixar de lado todos os açúcares e adoçantes. Usar mesmo em ocasiões especiais. Fico muito feliz com a sua mudança!

  5. Pingback: Alguns posts básicos sobre alimentação | quase nada

  6. Bom dia Daniela

    Conheci seu blog agora por indicação de uma amiga e estou encantada.
    Parabéns pelo seu trabalho e por ajudar tanta gente com esses assuntos que muitos sabem que não faz bem, mas não tem noção da gravidade desses problemas.
    Gostaria de saber sobre as frutas.. Você consome ainda?? Cortando o açúcar em geral, e mantendo o consumo das frutas com moderação você acha que ainda aumenta muito o indice glicemico?

    • Daniela Miguel em

      Liliane, as frutas tem alto índice glicêmico e tem que tomar cuidado mesmo. Prefiro as silvestres (morango, mirtilo, amora, framboesa) que tem índice mais baixo. Ou então comer com iogurte, ou castanhas ou algum queijo junto.

Deixe um Comentário